Terça-Feira, 07 de Dezembro de 2021 - 08:28:59    Oferecimento Mato Grosso em Destaque
Facebook Mato Grosso em Destaque Instagram Mato Grosso em Destaque Canal no Youtube do Portal Mato Grosso em Destaque WhatsApp Mato Grosso em Destaque
Mato Grosso em Destaque


Data: 11/03/2021 - 14:34 - Por: Mídia News

Juiz nega pedido para ex-Secopa ser julgado na Justiça Federal

Maurício Guimarães é acusado de participar de esquema de pagamento de “mensalinho”


O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, negou um pedido da defesa e se manteve competente para julgar a ação que o ex-secretário da Secopa Maurício Guimarães e outras quatro pessoas respondem por improbidade administrativa.

 

Guimarães entrou com pedido de “exceção de incompetência” para que a ação fosse encaminhada para a Justiça Federal. 

 

A decisão foi publicada nesta quinta-feira (11).

 

A ação proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) investiga um esquema de pagamento de “mensalinho” feito a deputados estaduais durante a gestão de Silval Barbosa.

  

Além de Maurício e Silval, também respondem à ação o ex-chefe de gabinete do ex-governador, Silvio Araújo, o ex-secretário de Estado Valdisio Juliano Viriato e o ex-deputado estadual Alexandre Cesar. Este último chegou a ter R$ 1,2 milhão bloqueados por conta dos fatos.

 

No recurso, Guimarães sustentou que o suposto mensalinho teve origem na cobrança de propina de construtoras que executavam obras do programa “MT Integrado” e para a Copa do mundo de 2014, valores esses, segundo ele, quase que exclusivamente de fundos e programas públicos federais, razão pela qual a competência seria da Justiça Federal.

 

Em sua decisão, o juiz afirmou que o simples fato da utilização de recursos federais, ainda que em convênios, programas ou contratos de financiamento firmados com o BNDES, não tem o poder de conferir competência  à Justiça Federal, na medida em que não altera a conclusão quanto aos acusados.

 

“Além disso, a ação objetiva a responsabilização por suposto ato de improbidade administrativa, com a consequente condenação ao ressarcimento dos efetivos  prejuízos causados, em razão da cobrança de propina em contratos celebrados entre construtoras e o Estado de Mato Grosso”.

 

“Sendo assim, a suposta malversação dos recursos públicos pelos requeridos não atinge patrimônio Federal, nem mesmo do BNDES, mas sim e exclusivamente do  Estado de Mato Grosso. Ante o  exposto, rejeito a exceção de incompetência apresentada pelo requerido Maurício Souza Guimarães, o que faço para manter  este juízo como competente para processar e julgar a presente demanda”.

 

O mensalinho

 

Conforme o MPE, o ex-governador afirmou em delação - fechada com o Ministério Público Federal e homologada pelo Supremo Tribunal Federal que firmou acordo com parlamentares para manter a governabilidade, ter as contas do governo aprovadas, os interesses do Poder Executivo priorizados na Assembleia Legislativa e não ter nenhum dos membros do alto escalão do Estado investigado em Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

 

Em troca, os deputados teriam recebido uma espécie de “mensalinho” no valor de R$ 600 mil, que teriam sido divididos em 12 vezes de R$ 50 mil.

 

Os valores eram pagos a partir de retornos de recursos do programa MT Integrado, de incentivos fiscais e das obras relativas à Copa do Mundo de 2014.


Curta Nossa Página no Facebook:





Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Juiz nega pedido para ex-Secopa ser julgado na Justiça Federal

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.


COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA COM SEUS AMIGOS




Mato Grosso em Destaque | Portal de Notícias de Mato Grosso - Todos os direitos reservados.

Facebook Mato Grosso em Destaque    Instagram Mato Grosso em Destaque    Canal no Youtube do Portal Mato Grosso em Destaque    WhatsApp Mato Grosso em Destaque

E-Mail: reportagem@matogrossoemdestaque.com.br


Política de Privacidade | Termos de Uso